Palhetas

Olá nobres colegas. Hoje venho trazer um pouco do que sei sobre palhetas. Não sou nenhum mago nem tenho conhecimentos acadêmicos, mas gostaria de mostrar algumas coisas curiosas que recolhi.
Em um próximo post o meu amigo e colaborador do blog Moisés irá falar sobre técnicas e algumas curiosidades sobre palhetas. Vou falar sobre os materiais mais utilizados.
Praticamente todo tipo de material duro e/ou maleável pode ser utilizado na fabricação de palhetas.
Eis aqui os mais comuns:
Celulóide. Utilizado em palhetas macias como as fender THIN.

Gosto muito destas palhetas em gravações com violão de aço. O barulho delas nas cordas é muito agradável. Tem quem goste com palhetas mais duras, onde o som estalado da batida é mais picado.
 Também gosto das palhetas mais grossas, como as fender MEDIUM. São palhetas muito populares.

Nylon. As famosas “Herdim”

Particularmente não gosto destas palhetas. São muito moles e duram pouco. Se não cuidar elas podem ser cortadas por uma corda mais fina. Mas veremos no post do Moisés que elas podem ser muito úteis.

Acetato. São palhetas com boa consistência, disponíveis em diversos formatos e espessuras. Eu gosto destas palhetas. Aderem bem aos dedos e normalmente recebem um acabamento fosco.

Acrílico. Palhetas super brilhantes e duras. Muito bonitas. Existem muitos formatos. São bem legais para quem gosta de tocar Jazz.

Delrex. Pelo que pude apurar é um material bem parecido com o Acetato. Um pouco mais duro e com um acabamento fosco e aveludado.

Estes são os materiais tradicionais que mais encontramos nas lojas. É claro que o céu é o limite para a imaginação e vão aparecendo outros materiais.

Madeira. É muito usual hoje em dia ver palhetas feitas de diversos tipos de madeira. A sonoridade é interessante.

Bem encorpada e levemente fechada. Eu gosto, mas em pouco tempo elas perdem o polimento e por mais dura que seja a madeira ela começa a esfarelar um pouco e pede uma nova camada de cera e polimento. Duram pouco, mas são legais para explorar novas sonoridades, principalmente para quem gosta de um som limpo.

Metal. Duram bastante.

Só uso as palhetas de metal muito bem polidas. As que não têm as extremidades torneadas e sem polimento nos dois lados prendem nas cordas e tornam um solo mais difícil.

Vidro. Não é comum ver palhetas por aí neste material. Nunca toquei com elas. Dos materiais “exóticos”, acho que as palhetas de vidro são as mais difíceis de encontrar.

Borracha.

Ganhei um conjunto igual ao da foto. Definitivamente não servem para guitarristas. São legais para baixistas pois não prendem nas cordas. São bem macias.

Pedra. São mais fáceis de encontrar. Tenho também curiosidade em experimentar. Além de lindas, devem ser muito boas para tocar.

É incrível a quantidade de materiais que podem ser usados. Já toquei também com palhetas feitas com casca de coco. São muito parecidas com as de madeira. Provavelmente todos os guitarristas já tentaram algum dia fazer uma palhetinha em casa. Por curiosidade ou por necessiade já que as danadas vivem se escondendo. Já utilizei tazos, cartões de crédito e até embalagens plásticas para fazer palhetas. Devo admitir que nunca ficaram tão boas quanto as que compramos nas lojas, mas consegui bons resultados. Foi pensando nisso que a turma do Pick Punch criou um “grampeador” que faz em um piscar de olhos uma palheta super bonitinha com cartão de crédito.

Um gadget que nenhum guitarrista se importaria de ter. Não temos este produto no mercado brasileiro, só por encomenda. Mas não é muito caro e o tamanho dele é reduzido. Não deve ser muito dispendioso para ter um. Pelo que vi ele corta reto e a palheta depois tem de ser finalizada com uma lixa para ficar arredondada nas bordas. Um ótimo presente para se dar a um namorado guitarrista… Viu meninas?
É claro que também não podemos esquecer delas, né?

Para finalizar, gostaria de mostrar algumas outras palhetas que encontrei enquanto montava este post:

Valeu a criatividade em criar uma palheta em fibra de vidro a partir de uma placa de circuito impresso. Ficou muito bonita. Só não sei se as trilhas não atrapalham um pouco para tocar. A fibra de vidro com o atrito também esfarela bastante.
Uma palheta que “recria” o som de 12 cordas. Ela realmente dá um efeito bem aproximado para belos arranjos.

E para fechar, para quem gosta do Tuning… Palhetas que brilham com leds.

Que tal?

Anúncios

O seu comentário aqui

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s