Desafio Blues Junior

De todos os amplificadores que tive a oportunidade de montar este foi o primeiro que documentei. Os outros foram construídos muito antes da existência deste blog e infelizmente não fiquei com registros para publicação. Quando comprei o meu Blues Junior falei dele aqui e também das modificações possíveis para conseguir o máximo deste pequeno gigante. Na época em que fiz as modificações fiquei com aquela pulga atrás da orelha me perguntando se seria muita loucura construir um amplificador baseado neste fantástico projeto, só que totalmente “handmade”. Foi então que mergulhei no desafio e lentamente comecei um amplo estudo sobre o esquema. Dois motivos me impulsionaram. O desafio de conseguir fazer funcionar e a aquisição de conhecimento em eletrônica. Tive muitas dúvidas sobre o sucesso da missão e enquanto não vi tudo funcionando não publiquei nada. Hoje com o protótipo finalizado e funcionando resolvi colocar neste humilde espaço como um incentivo para quem quer aprimorar seus conhecimentos. Não é nenhum projeto impossível, mas os detalhes são determinantes pois as chances de dar errado ou funcionar com uma baita chiadeira são altíssimas no mundo das válvulas.

mesa

Comecei por rabiscos no esquema. É preciso ter atenção nestes projetos pois tanto os amplificadores antigos como os modernos possuem várias versões que os fabricantes foram melhorando com o tempo. Em alguns casos as mudanças são drásticas e é preciso escolher apenas uma delas para montar. Tentar fundir o melhor de dois mundos pode dar muita dor de cabeça.

1

O segundo ponto do desafio foi conseguir um chassi barato, no meu caso uma forma industrial para bolos. Dela saiu um delicioso amplificador. A parte que mais odeio de qualquer montagem é fazer os intermináveis furos das mais diversas espessuras e quando não se consegue o número desejado, vai na mão com uma lima mesmo. É trabalho para dias só furando e limando. O transformador de potência foi produzido em solo tupiniquim e bem dimensionado faz o seu papel com maestria. O de saída aproveitei o original do meu amplificador que removi após o conjunto de upgrades que fiz.

placa

A placa foi feita de forma artesanal. Depois de pronta o pepino que eu não previa…. Encontrar todos os componentes necessários. Foram meses de pesquisas e compras na internet para conseguir todos os valores ideais e assim o melhor resultado possível. Alguns componentes possuem valores nada comerciais e foi uma tortura para encontrar, mas tive a felicidade de não utilizar nenhum componente de valor aproximado. Todos bateram certinho e tive o cuidado de medir e escolher os que tinham o valor mais preciso. Sim, foi coisa de maluco.

4

O sistema de reverb foi um dos mais chatinhos de acertar. Em vários pontos do circuito não utilizei cabos blindados como deveria ser. Foi proposital. Primeiro por ser um protótipo e eu queria fazer as coisas de forma rápida. Outro ponto que pesou foi a vontade de dar ao circuito as piores condições possíveis para ver como se comportava. E nisso incluiu até testes malucos no sistema de aterramento que mesmo assim funcionou bem e em momento algum tive problemas com ruídos.

3

O único e mais comum problema que tive foi o da falta de atenção com as ligações. São muitos fios e uma ligação errada compromete tudo, ainda mais em um projeto jamais testado antes. Foi um tiro ao alvo na escuridão.

2

Mas é com alegria que compartilho esse amplificador  “super-gambiarras” que no futuro passará por uma troca de casco e uma melhoria geral nos fios, soldas, soquetes e tudo mais que faltar para torná-lo um senhor de primeira grandeza.

Quero agradecer ao pessoal que deu força para essa pesquisa e assim como eu acreditou que ficaria perfeito. Em breve volto com ele em ação para a apreciação de todos.

Até lá 🙂

ATUALIZAÇÃO (28-05-2017)

Fiquei devendo uma amostra do amplificador, aqui vai:

Anúncios