Blues Junior – Parte 2

A correria de fim de ano tem parado muito o ritmo aqui no blog, mesmo assim tento postar sempre com alguma regularidade. E foi hoje, no último dia do ano que me sobrou um tempo para dar um tapa aqui. No post anterior fiz um review do amplificador Fender Blues Junior e também falei um pouco da sua história. Deixei na promessa uma futura publicação sobre soluções de seus pontos fracos. Hoje falo sobre uma série de modificações que podem resolver por completo esses pequenos “contras” do equipamento original e transformá-lo em um gigante definitivo.

Anos atrás surgiu um senhor americano na internet com o site  Billm Audio que propunha várias modificações no projeto original do amplificador e começou a vender kits com os componentes para realizar este trabalho. Recomendo a leitura completa do site. Além de vender kits, existe muito conteúdo importante e grátis no site. Começou com modificações nos componentes e hoje conta com transformadores de força e saída melhorados e também a possibilidade de trabalhar com válvulas de saída diferentes como as 6V6 e 6L6.  A turma do mundo todo começou a comprar os kits de modificações e hoje é quase uma parada obrigatória para quem compra este modelo de amplificador. Foi também guiado por essa onda que o exemplar apresentado aqui no blog passou por elas. Para o projeto foi adquirido um kit de modificação básica, um novo transformador de saída com características superiores ao original e uma chave liga/desliga com 3 estágios possibilitando ter a combinação off-filamentos-on. Com ela o amplificador passa a ter a opção de Stand By facilitando a utilização e prolongando a vida útil das válvulas. Por mais que esta não seja uma modificação obrigatória neste tipo de projeto, ela é útil e mal não faz.

compsOs componentes vieram muito bem embalados e assim como indicado no site, são de ótima qualidade. Na caixa vem também todas as instruções de instalação. A desmontagem do amplificador é um pouco trabalhosa, mas nada difícil. É só ter bastante calma e em momento algum forçar alguma peça ou parafuso. Especial atenção com as soldas pois a placa exige uma estação com temperatura controlada. Qualquer descuido e o cobre sai pulando.

As principais propostas do kit básico de modificações são:

Melhorar a presença e resposta de graves no amplificador. Com isso ele deixa de ter um som pequeno, de caixote.

Resolver o problema da fraca resposta por parte do equalizador. Após a modificação os graves e médios passam a atuar com muito mais eficácia.

Melhorar a etapa de filtragem da fonte, melhorando a resposta nos graves, no ataque das notas e estabilidade da etapa de potência e do circuito todo em geral.

Prevenir possíveis problemas de oscilação no circuito.

Por último e não menos importante, adicionar um ajuste fino do bias. Quando original ele está ajustado em um ponto muito alto,  gastando muito rápido as válvulas de potência. A modificação remove dois resistores divisores de tensão e adiciona um trimpot multi-voltas para um ajuste preciso.

Além disso foram feitas outras modificações como adicionar um soquete ao CI do reverb e a substituição de alguns capacitores e resistores por outros de mesmo valor mas com qualidade superior. Nada que faça modificações relevantes ao som final. Foi mais preciosismo e praticidade.

amp

A modificação foi feita antes da troca de transformador de saída para saber qual era a real diferença. Achei bacana o novo transformador, mas nada realmente importante para o valor que ele custa. No som propriamente dito ele traz um pouco mais de graves, mas é bem pouco e é possível compensar isso na própria equalização se for utilizar o transformador original. As vantagens importantes que notei foi o tamanho superior, melhor dissipação de calor e acabamento com chapas metálicas protegendo de ruídos. O original é muito pequeno e não possui nenhuma proteção. Mas se for pensar em som, ambos são ótimos.

Depois de toda a modificação foi só montar tudo no lugar e fazer o ajuste de Bias:

biasTem coisas que só paramos para reparar quando colocamos a mão na massa. Uma das coisas que não tinha reparado e não falei no primeiro post foi sobre a qualidade das válvulas. Em amplificadores Fender de uns 10 anos atrás as válvulas já vinham serigrafadas como Groove Tubes mas era possível ler meio apagado que eram Sovtek. Anos depois, continuam com todo o marketing Groove Tubes com direito a etiqueta no amplificador, mas suspeito seriamente que sejam agora válvulas chinesas. Funcionam bem, o som é legal mas notei que com o volume no máximo e sem sinal na entrada o amplificador começava a ter uma espécie de feedback. Foi colocar o dedo na primeira válvula de pré e o apito parou. A solução foi mudar ela de lugar. Testei depois com válvulas JJ e ficou uma maravilha. Existem os Tube Damper Rings que impedem vibrações nas válvulas:

damperSão anéis de silicone. Como disse, a simples troca de posições das válvulas de pré resolveu o problema. No caso o uso destes anéis não seria totalmente útil, uma vez que as válvulas são de baixa qualidade e mesmo com esse tipo de recurso apresentaram barulho de metal no som quando recebiam ligeiros toques. Fazia um barulho tipo grelha de churrasco caindo no chão. Para todas as outras, os anéis são um bom upgrade.

Conclusão: Para quem pensa em ter ou já tem esse amplificador, vale a modificação. Muda demais o som e fica bom que só.  Só acho que não é preciso nada além do kit básico que é o essencial para por o bichano falando bonito. Os componentes enviados com o kit são ótimos, mas é possível consegui-los no mercado nacional. O valor do kit na verdade é o custo da pesquisa que foi feita para criar as melhorias. Para os valores em Dólares, o custo das peças é simbólico.

Feliz 2014! Capa para Amp